13/05/2009

Entrevista a Costa Pereira, Presidente da AFVR

Numa entrevista entre o Vila Real Sport e a Rádio Clube Aguiarense, o Presidente da Associação de Futebol de Vila Real, Costa Pereira, fez o balanço da época desportiva, debruçando-se sobre os casos que marcaram a temporada de 20082009. O cancelamento da Taça de Honra, a Final da Taça AFVR, os casos dos árbitros vila-realenses e as novas regras da Federação Portuguesa de Futebol, foram alguns dos assuntos debatidos neste encontro.

Vila Real Sport (VRS): Quais os motivos que levaram ao cancelamento da Taça de Honra?
Costa Pereira: A iniciativa de criar esta taça foi um insucesso. Esta prova tinha como principal objectivo fazer a preparação dos clubes para o arranque da temporada, tanto das formações que disputam os nacionais, como os que competem na Divisão de Honra, contudo, os clubes da AFVR não entenderam a ideologia da associação, e não aderiram como esperávamos. Por fim, comunicamos aos clubes envolvidos na competição, se desejariam dar continuidade a esta taça, mas apenas obtivemos resposta positiva por parte do Fiolhoso.

VRS: Os clubes desta associação, queixam-se de que as taxas que estes pagam, são as mais caras do país, o que tem a dizer em relação a isso?
Costa Pereira: Eu reconheço que o futebol atravessa uma grande crise, mas também nós a sentimos, e a maioria das taxas que a AFVR aplica, é do mesmo valor que a FPF determina. Nós não temos receitas próprias, e dependemos das taxas cobradas aos clubes, receitas estas que são importantes para, entre outras coisas, sustentar a arbitragem.

VRS: Não teme que com a crise que presenciamos, vários clubes terão que desistir do futebol?
Costa Pereira: Eu acredito que só deve estar no futebol profissional quem tiver sustentabilidade, isto é, quem não for auto-suficiente, deverá participar noutro tipo de campeonatos ou até desistir. Tenho a noção de que muitos dos nossos clubes poderão desaparecer, mas é inadmissível que alguns ainda se mantenham, se não cumprem os pagamentos com os seus funcionários e jogadores. O que está a acontecer em Portugal é uma vergonha para o futebol, hoje não podemos continuar a gastar mais do que aquilo que temos, e se é assumido um compromisso, então deve ser cumprido até ao fim.

VRS: Esta época desportiva ficou marcada pelos casos de corrupção que envolveram árbitros da AFVR, como os exemplos de Rui Silva e João Cabral. Qual é a sua opinião sobre estes casos?
Costa Pereira: Temos que realçar que estes árbitros tiveram coragem de denunciar estas situações de corrupção. Não se sabe, contudo, todos os contornos destes casos, por estarem em segredo de justiça, mas posso dizer foi uma injustiça o que fizeram com o Rui Silva. Trata-se de um árbitro exímio no seu trabalho, com uma carreira promissora, e agora vê o seu futuro comprometido. Quanto ao João Cabral, este acabou por estar envolvido numa situação em que não teve culpa nenhuma, e tudo se vai resolver da melhor maneira, porque ainda acredito na justiça portuguesa. Continuo, portanto, a afirmar que possuímos grandes árbitros, muito profissionais, e todas as semanas eles dão provas disso.

VRS: Para a próxima época a associação corre o risco de estar representada, nos campeonatos nacionais, por apenas dois clubes. Seria uma grande perda para o nosso futebol?
Costa Pereira: Infelizmente o Mondinense já consumou a sua descida, o que é uma pena, tendo em conta a massa associativa e infra-estruturas que dispõe, no entanto ainda tenho esperanças que o Vila Real se mantenha na 3ª Divisão, e penso que o Montalegre também vai representar bem o nosso distrito. É uma grande perda se assim for, mas nem tudo é mau, senão vejamos, o GD Chaves está em boa posição para chegar à Liga Vitalis, teremos também dois clubes no escalão máximo do Futsal, contudo temos que aceitar que no futuro será mais difícil atingir os nacionais, devido à nova legislação que a FPF quer impor. Como se sabe, a partir de 2010/2011, os distritais não darão acesso directo aos nacionais, favorecendo apenas as associações do litoral, e os clubes do interior sairão prejudicados.

VRS: Para terminar, Qual o balanço que faz desta época desportiva.
Costa Pereira: Quanto a mim o balanço da temporada é positivo. Actualmente, apesar de ainda persistirem algumas polémicas, existem menos casos dos que nos anos anteriores. Possuímos actualmente bons dirigentes, atletas muito profissionais e bons árbitros. Há, naturalmente, casos durante a época que causam polémica, mas temos que reconhecer que o conselho de justiça tem prazos para tomar as decisões, e esses prazos são para cumprir. Mas a culpa nem sempre é da Associação, existem regulamentos com as regras bem explícitas, e muitos clubes não têm conhecimento do que consta nestes documentos, e depois reclamam muitas vezes sem razão.

3 comentários:

Futsaleiro disse...

Boa entrevista senhor FR!

So tem um pequeno reparo, e que por mero acaso era um assunto interessante que tens se debatido nos ultimos dias...a Final da Taça AFVR!

É que surgiu na comunicação social o pedido de demissao do presidente da AFVR por parte do clube alijoense,que poe em causa o local da final,pois,segundo os estatutos a final tem que ser realizada no concelho de vila real,como aconteceu o ano passado,e este ano nao o ser,pois vai ser realizado no Municipal da Regua...

Gostaria de saber o que o presidente da AFVR tem a dizer sobre este assunto... ;)

Mas gostei do conteudo da noticia...bom trabalho!

Sem mais nada acrescentar,
Um abraço

José.C.Leitão disse...

CAro Futsaleiro, na verdade a entrevista foi feita antes do apuramento dos finalistas da TAça AFVR, realmente era pertinente saber a opinião de Costa Pereira, é que além de todas as condicionantes, o Montalegre como deve saber, pelo Viage, disse que ou se jogava em qualquer campo, inclusive em Abambres, mas no dia 17, ou então que entregassem a taça ao Abambres! penso que esta será uma opção de ultimo recurso,até porque estava na Assembleia do Régua, e o proprio presidente do clube n sabia que a final seria lá! qt ao ALijoense, tem toda a legitimidade de questionar, pelo que que se passou na época passada!
AB

FR disse...

Olá,

Essa pergunta constou na entrevista, apenas a retirei porque a quando da publicação, esse assunto já estava resolvido. Ou seja, a final vai ser na Régua, porque os clubes finalistas assim o entenderam. A final deveria ser no concelho, que é a mesma coisa k dizer no monte da forca, mas como na data joga o vila real, e os clubes finalistas não keriam adiar o jogo, este passou a ser na Régua, como poderia ter sido noutro campo, mas os clubes em questão assim o decidiram.

Abraço